Setor de telefonia sofre com onda de demissões

Criada em 04/08/2016


As operadoras de telefonia passam por uma nova onda de demissões. Após aTIM cortar 1,7 mil no mês passado, a Telefônica Brasil, dona da marca Vivo, deve desligar cerca de 2 mil funcionários como resultado da integração com a GVT, após já ter feito cortes no ano passado, segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicações (Fenattel).

A estimativa da federação é de um corte de 10 mil trabalhadores nas operadoras desde 2015. No Rio, a BTCC, empresa de call center do grupo Oi, vai demitir 800 trabalhadores neste mês, mas os postos serão transferidos para Recife, diz a Fenattel.

"Em reunião no mês passado, a Telefônica informou que seriam necessários os 2 mil desligamentos no País", diz Luís Antônio Souza, secretário geral da federação.

No Estado de São Paulo, a redução seria de cerca de mil postos de trabalho, segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações no Estado de São Paulo (Sintetel).

Em julho, a empresa manteve um Plano de Demissão Voluntária (PDV). As demissões estão previstas para ocorrer até 2 de setembro.

"A situação do setor é preocupante. O número de empresas está diminuindo e, como consequência, há a redução dos postos de trabalho. Esse movimento ainda não acabou", avalia o secretário geral da Fenattel.

No ano passado, a Telefônica já demitiu outros 2 mil trabalhadores. A Vivo comprou a GVT por cerca de 7 bilhões de euros em dezembro de 2014 - a aquisição foi aprovada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) em maio do ano passado.

Procurada, a Telefônica Brasil disse que realizou o PDV, negociado com os sindicatos, com condições especiais de saída. "A empresa busca continuamente maior agilidade e eficiência nas operações, alinhadas à sua cultura de alto desempenho", disse.

De acordo com o Sintetel, entre os benefícios negociados está a extensão do plano de saúde por 120 dias para os trabalhadores vindos da Vivo e 60 dias no caso dos funcionários da GVT.

No Rio, as demissões pela BTCC ocorrerão neste mês. Os trabalhadores já cumprem aviso prévio, de acordo com Souza, que também é presidente do sindicato dos trabalhadores no Rio (Sinttel-Rio).

"A transferência para o Nordeste pode ocorrer porque os salários e benefícios lá são menores", avalia o sindicalista. Também foi negociado um pacote de benefícios, como plano médico hospitalar, por mais 90 dias após o desligamento, incluindo dependentes.

A Oi nega e ressalta que os postos serão mantidos. De acordo com a operadora, o objetivo do movimento é a centralização estratégica do "back office" do controle operacional para ganho de eficiência e produtividade.

A companhia, hoje em recuperação judicial, diz que está redistribuindo parcialmente entre os fornecedores a prestação de serviço de apoio operacional às equipes de campo que atendem o varejo.

A empresa destaca que o processo não impacta serviços ao cliente. Já a BTCC diz que está reformulando a unidade de serviço no Rio em função de ajuste de demandas.

No dia 8 de julho, a TIM desativou unidades de call center próprias em Pernambuco e no Paraná. Cerca de 1,7 mil pessoas foram demitidas - 1,2 mil em Pernambuco e 500 no Paraná, segundo o sindicatos.

A operadora diz que realiza uma reorganização para melhorar a sinergia entre as operações e o fornecimento de serviços e infraestrutura.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Veja também

Apesar de concessões do governo, caminhoneiros mantêm paralisação pelo 8º dia

Inverno 2018 mais frio dos últimos 100 anos. Mito ou Verdade?

SEMANA DA MULHER: Professoras lideram o ranking das ocupações femininas

Para os supermercados, expectativa é que consumidores comprem mais produtos de Páscoa neste ano