Advogado de Bola critica MP em júri

Criada em 22/04/2013


AE

Terminou por volta das 14 horas desta segunda-feira, 22, a etapa das alegações preliminares da defesa e da Promotoria no julgamento do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, acusado de matar e sumir com o corpo de Eliza Samudio, ex-amante do ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes de Souza. A juíza deu um intervalo de uma hora para o almoço. O julgamento acontece no Fórum Pedro Aleixo, em Contagem (MG), o mesmo onde Bruno foi condenado a 22,3 anos de prisão e Luiz Henrique Romão, o Macarrão, a 15 anos.

Primeiro, o advogado de Bola Ercio Quaresma criticou a atuação do Ministério Publico, comparando-a a Inquisição, e defendeu o adiamento do julgamento. Para ele, o motivo é a existência de investigações em andamento sobre a participação de outros supostos envolvidos no caso: os policiais José Lauriano, o Zeze, e Gilson Costa.

O promotor Henry Vasconcellos disse que as investigações "suplementares visam a mais ampla reunião de provas de coautoria de outros dois parceiros do réu". Ele disse também que a defesa age como se estivesse antecipando a fase dos debates. Mais cedo,

a testemunha que não havia comparecido ao Fórum de Contagem, o jornalista José Cleves, foi encontrada iria depor.

O depoimento de José Cleves faz parte da estratégia de tentar desqualificar o então chefe das investigações da época do desaparecimento de Eliza, delegado Edson Moreira. Para a defesa, Moreira, que hoje é vereador, tem uma perseguição pessoal com Bola. Cleves foi acusado de matar a mulher, mas depois acabou inocentado. O caso também foi conduzido por Edson Moreira. No início de julgamento, o advogado de Bola chegou a pedir à juíza Marixa Rodrigues o adiamento do júri, o que ela negou.


Veja também

Dia Nacional de Combate ao Fumo

Apesar de concessões do governo, caminhoneiros mantêm paralisação pelo 8º dia

Inverno 2018 mais frio dos últimos 100 anos. Mito ou Verdade?

SEMANA DA MULHER: Professoras lideram o ranking das ocupações femininas