Novembro Azul: Embolização da Próstata

Criada em 06/11/2017


A hiperplasia prostática benigna (HPB) é o tumor benigno mais frequente entre os homens. A Doença acomete mais de 50% dos homens acima de 70 anos de idade e tem como fatores de risco principais a idade avançada e a testosterona (o principal hormônio sexual masculino). Seus sintomas podem comprometer significativamente a qualidade de vida do paciente sintomático e consequentemente dos familiares que convivem com ele; dentre os principais sintomas urinários destacam-se: jato urinário fraco, demora e dificuldade para urinar, esforço miccional, interrupção da micção, aumento da frequência da micção (sobretudo à noite), sensação de esvaziamento incompleto da bexiga, urgência para urinar, entre outros.

Embolização da próstata é uma forma minimamente invasiva de tratamento da hiperplasia prostática sintomática, na qual se bloqueiam as artérias que alimentam a glândula, fazendo-a encolher Dr. Denis Szejnfeld Radiologista Intervencionista e Cirurgião Endovascular do Hospital Certa em São Paulo explica que a embolização é realizada sob orientação de um urologista responsável pela condução do caso e pela indicação formal do procedimento, que se caracteriza como uma alternativa à ressecção transuretral da próstata que demanda internação, anestesia geral  e  surgimento de ejaculação retrógrada.

O procedimento é realizado por meio de cateterismo da artéria femoral (punção com agulha de um vaso sanguíneo localizado na virilha). Através do qual é introduzido um microcateter (minúsculo tubo flexível de 2 milímetros de diâmetro) sob orientação de um aparelho de raio X, identificam-se as artérias que irrigam a próstata e injeta-se as microesferas (agentes embolizantes – pequeníssimos pedaços de materiais feitos de resina acrílica, inofensiva ao organismo que possuem tamanho de grãos de areia) na circulação arterial da próstata.

“A consequência que se espera após a injeção desse material na circulação da próstata é que haja uma interrupção do fluxo sanguíneo arterial da próstata, promovendo o encolhimento da próstata e a melhora dos sintomas.” Completa o especialista.

A Embolização de próstata é feita com anestesia local e/ou sedação. Não há necessidade de anestesia nas costas (raquianestesia ou peridural) ou intubação orotraqueal – anestesia geral). O procedimento é realizado em regime de Hospital Dia, ou seja, o paciente vai para casa poucas horas após o término do procedimento.

Dr. Denis ressalta que o procedimento pode ser repetido após algum tempo (2 a 4 anos) se houver sintoma novamente. A embolização é um procedimento realizado mundialmente com excelentes resultados e baixíssimas taxas de complicações.


Veja também

Novembro Azul: Embolização da Próstata

Ryan Lochte pede desculpas por comportamento no Rio

Santos terá que apresentar contratos de Gabriel a agente que diz ter 10% do atleta

Dunga vê pressão como ´´normal´´ e diz ter convicção no trabalho