PIB fraco deve abalar mais confiança do comércio

Criada em 03/06/2013


AE

O ritmo lento da atividade econômica deverá contribuir para que a confiança do empresário do comércio complete um ano de piora no próximo mês, segundo o economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC) Fabio Bentes. Após a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) relativo ao primeiro trimestre deste ano, no último dia 29, que veio aquém das expectativas do mercado, a confiança do setor ficou ainda mais abalada, o que deverá comprometer a perspectiva de investimento e contratação.

Até o mês passado, o recuo do Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) era pautado pela decepção com a recuperação da economia. Mas, em maio, pesou também a frustração com o desempenho do próprio comércio, que até então, vinha se sustentando no crescimento da renda da população, disse Bentes.

No mês passado, o setor sentiu os efeitos da inflação e a perspectiva é de piora, com a alta da taxa básica de juros de 7,5% para 8%, na última semana. "No curto prazo, a tendência (com a alta dos juros) é de gerar sequências de resultados negativos. Mas, se surtir efeito sobre a inflação, vai, lá na frente, ajudar o comércio, porque boa parte da queda das vendas é explicada pela inflação, principalmente, em alimentos", disse o economista.

Do Icec de maio, Bentes destacou a avaliação do empresário do comércio sobre a economia. O indicador desse item caiu 14,1%, comparado a maio do ano passado. Em abril, o mesmo índice registrou queda de 6,7%. "A estatística é anterior à divulgação do PIB, portanto não será surpresa se completarmos um ano de queda da confiança do empresário em junho", disse o economista da CNC.

Em maio, a confederação registrou queda em oito dos novos quesitos que compõem o Icec. A exceção foi o indicador relativo a investimento com funcionários, que subiu 4,1%. Ainda assim, a avaliação de Bentes é que o ritmo de contratação está mais lento neste ano e que o crescimento da mão de obra é de reposição, para acompanhar o crescimento das vendas, estimado em 5% neste ano. Em 2012, o comércio avançou 8,4%, segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC).

A CNC espera que, neste ano, sejam criados 90 mil postos de trabalho a menos do que no ano anterior. Em 2012, o comércio abriu 390 mil vagas e, em 2013, deve abrir 300 mil, segundo a estimativa da confederação. "O índice não está tão baixo, porque as expectativas ainda estão altas. Mas devemos experimentar nos próximos meses, quedas nas expectativas", disse Bentes.


Veja também

FGTS facilita renegociação de dívidas

Alerta para quem tem dívidas

8 ERROS INFALÍVEIS PARA QUEM QUER CONTINUAR SEM DINHEIRO

6 PASSOS PARA QUEM COMEÇOU O ANO ENDIVIDADO