Inflação dos supermercados encerra 2017 com a maior queda da história no plano real

Criada em 10/01/2018


Retração de 2,30% no acumulado do ano supera 1998; nova queda no índice não deve se repetir ao final de 2018.


Em época de crise, qualquer economia, por menor que seja, é sempre bem-vinda. E quando essa redução é nos preços dos produtos básicos do nosso dia a dia, como leite longa vida, feijão, açúcar, chocolate, frango e arroz, é ainda melhor. O ano de 2017 foi extremamente favorável para os consumidores do setor supermercadista, conforme apontou o Índice de Preços dos Supermercados (IPS), calculado pela APAS/FIPE. No acumulado de janeiro a dezembro de 2017, a inflação dos supermercados registrou queda de 2,30% e atingiu o menor valor desde o início de sua medição, em 1994. Anteriormente, a retração mais baixa registrada aconteceu no ano de 1998, quando o índice apontou redução de 2,26%.


“Este resultado surpreendente é decorrente de dois fatores que eram apontados ao longo dos meses em 2017. Um deles foi a safra recorde brasileira no último ano, que superou todos os prognósticos. Este resultado principalmente nos grãos fez também com que os rebanhos bovino, suíno e aves fossem beneficiados com melhores preços para a ração por exemplo, o que ajudou na redução no preço das carnes”, explicou o economista da Associação Paulista dos Supermercados (APAS), Thiago Berka, que ainda completou.


“É preciso compreender como o consumidor brasileiro vem se comportando na crise. Apesar dos dois anos de PIB negativo (2015 e 2016), foi em 2017 que o pico do desemprego ocorreu (13,7% da população economicamente ativa ou 14 milhões de pessoas no 1º trimestre). A redução do desemprego (com o resultado de 12%) foi alcançada apenas em novembro puxados pelo emprego informal, empregados domésticos e conta própria, sem resposta ainda do emprego com carteira assinada. Portanto o consumidor chegou em 2017 extremamente cauteloso, sem confiança e renda suficiente para gastar de forma a absorver a maior oferta no mercado alimentício”, concluiu.


Apesar do resultado animador para o consumidor em 2017, para o acumulado de 2018 a previsão da APAS é que os preços subam nos supermercados entre 3 a 4%. “O nível de emprego no Brasil continuará aumentando e com melhora nos empregados com carteira assinada na iniciativa privada o que vai tornar a demanda mais robusta e sustentável. Além disso, a safra brasileira de 2018 será excelente novamente, porém, não brilhará tanto quanto em 2017, com previsões de que seja 6% pior”, avaliou Berka.


Inflação dos supermercados em dezembro de 2017 tem leve alta


Se no acumulado de 2017 o IPS fechou em queda, no mês de dezembro o índice subiu 0,27%, valor considerado baixo dado que, tradicionalmente, dezembro é um mês de aumentos maiores na inflação devido a demanda maior nas compras de final de ano. Os vilões que fizeram com que o índice subisse no último mês de 2017 foram as frutas e carnes, principalmente bovinas. Coxão mole, contrafilé, patinho e acém contribuíram com cerca de 23% do aumento do IPS dezembro mas foram fortemente contrabalançados por quedas das carnes suínas e aves.


Produtos semielaborados (Carnes, Leite e Cereais)
Os preços subiram 0,72% em dezembro puxados pela carne bovina (3,93%) e dos pescados (1,20%). Por outro lado, as aves demonstraram queda (1,16%), junto com suínos (3,30%) e leite (0,37%), que puxaram os resultados do grupo para baixo. No acumulado do ano de 2017, os produtos semielaborados registraram redução de 5,64%.


Produtos industrializados


Subiram 0,24% em dezembro. Surpreende o pequeno aumento dos panificados, incluindo os panetones, de 0,39%. Já os doces tiveram redução de 0,84%, com o chocolate em queda de 0,36%, o que causa surpresa, pois é um produto muito demandado como presente no Natal. No acumulado de 2017, os produtos industrializados fecharam em queda de 1,40%.


Produtos in natura


No geral caíram 0,34% em dezembro. Este número só não foi menor por conta das frutas que responderam a maior demanda do mês, já que são tradicionais e tiveram alta de 1,94%. Laranja (6,99%), banana (5,69%), maçã (4,39%), mamão (7,02%), abacaxi (4,20%) e maracujá (6,60%) foram os principais aumentos. Importante salientar que todas estas frutas, exceto o maracujá, estão em período de fim de safra ou entressafra em dezembro tornando os preços mais instáveis. No acumulado de 2017, os produtos in natura fecharam em queda de 4,28%.


Bebidas não alcoólicas


Fechou dezembro em leve queda de 0,12%, porém, encerrou o ano bem acima do IPS com 1,50% de aumento, devido, principalmente a alta do refrigerante (2,15%) e água mineral (5,37%).


Bebidas alcoólicas

Encerrou dezembro praticamente estável, com queda de 0,04%, porém, com alta de 1,95% no acumulado do ano de 2017. A grande responsável pela alta no ano foi a cerveja, que subiu 2,40%.


Produtos de limpeza
Apresentaram queda de 0,36% em dezembro, fechando o ano de 2017 com redução de 1,60%.


Artigos de higiene e beleza
Subiram 0,86% em dezembro e encerraram 2017 praticamente estáveis, com leve redução de 0,05%.


Veja também

FGTS facilita renegociação de dívidas

Alerta para quem tem dívidas

8 ERROS INFALÍVEIS PARA QUEM QUER CONTINUAR SEM DINHEIRO

6 PASSOS PARA QUEM COMEÇOU O ANO ENDIVIDADO